31.12.2001  Beitrag drucken

Doa a quem doer

Franz Schandl

A bem ver, já pouco resta à Áustria dessa incómoda neutralidade. Agora, porém, trata-se de lhe dar o golpe de misericórdia. A fatal série de actos de terror nos EUA constitui para muitos o tão esperado pretexto. Finalmente. Agora, nada deve constranger-nos. Não podemos ser neutros! Quem o diz é o chanceler (ÖVP). Temos de ser solidários! Diz o ministro da defesa (FPÖ). A Áustria de algum modo tem de entrar em cena, assim a boa nova nacional. Também aqui, dizemos: Toca a marchar sobre Cabul!

Dado o cariz generalizado e como que inquestionável de semelhante „solidariedade“, a questão por que razão deveríamos apoiar os EUA e a Nato assume dimensões de heresia. „Então vai para a União Soviética, meu comunista“ teria sido a resposta nos tempos da guerra fria. Agora deveremos provavelmente ir ter com os mullahs, mesmo que a nossa simpatia por eles seja igual a zero. Quem não é amigo, é um inimigo. „Também eu subscrevo este ódio“, diz o secretário geral da FPÖ (o partido nominalmente liberal de Jörg Haider), Peter Sichrovsky.

Em todo o caso, a neutralidade é o último empecilho formal para os cruzados da „república dos Alpes“. De qualquer modo, os combatentes austríacos não devem incomodar-se muito em saber se actuam em conformidade com o quadro legal existente ou nem por isso. Autorizações de sobrevoo? – não há problema. Permissões de passagem? – ora essa. Meios aéreos de intercepção? – absolutamente! Mesmo o facto da política militar ocidental se revelar perfeitamente inadequada aos conflitos actuais não perturba ninguém. Recordemos o que se passou na Jugoslávia. Em todo o lado, onde a Nato entra em cena, a situação só piora. Ela é a força que multiplica os conflitos.

O que será o que os EUA e a Nato contam ganhar e o regime em Cabul tem a perder? Mesmo que no Afeganistão se percam muitas vidas, o Ocidente nem uma lucra com isso. Quando muito, uma geração ainda mais determinada de guerreiros tresloucados que virão vingar-se golpes certeiros, mas igualmente com uma raiva cega e assanhada. Que doa a quem doer. Se a falange do Ocidente apagar do mapa paisagens inteiras do Sul, ela não poderá admirar-se se vierem a explodir bombas em jardins infantis e escolas, centros comerciais e de diversões das suas metrópoles. Em Londres. Em Paris. Em Viena.

No entanto, o sex-appeal do terror e da guerra parece ter contagiado toda a gente: terroristas obcecados com a morte, presidentes infantis, ministros liberais, jornalistas babados, esquerdistas passados dos carretes. Nas trincheiras virtuais reza-se, e em breve essa prática deverá ser transposta também para as trincheiras reais. Vamos mostrar quem manda a esses tratadores de camelos que ousam fazer tremer os nossos valores, desde a liberdade até às cotações das bolsas. Cambaleando uma comunidade de valores encaminha-se para a ofensiva.

Não restam dúvidas que o que faz falta é a vertigem de uma vitória: „Traremos ao mundo a vitória!“ diz a criança na casa branca, e também o paizinho no Texas diz que sim. „Temos à nossa frente uma guerra longa“ vaticina o colunista liberal proeminente, Hans Rauscher, sendo que o seu nome tem de ser lido como um comparativo à Nestroy do substantivo Rausch (vertigem, ebriedade). O ranking dos mais inebriados, no entanto, ainda se encontra em formação. Os estadistas são belicistas cambaleantes a entoar cânticos de guerra. All over the world. A guerra não é temível, mas desejável. Os outros é que têm a temer: Contra o terror! Em prol de ainda mais terror!

Tradução: Lumir Nahodil

Publicado em www.krisis.org em Setembro de 2001